terça-feira, dezembro 19, 2006

Out from the dust

Acabo de ter q deletar meu outro blog (o eletric-cafe) pq o nome estava escrito errado -_- fazer oq, ainda bem q o guilherme notou e me avisou logo.
Este blog, por ser meu, provavelmente vai tratar de coisas relacionadas a cibercultura e ciberarte. Provavelmente vou postar alguns micro-contos tb.

Pra começar aí vai um conto

As máquinas criadas pelo homem se levantam do pó e dos residuos nucleares deixados pela guerra e procuram seu criador, não o encontram. Olham para si mesmas e veêm os emaranhados de fios e de engrenagens, veêm LEDs e o neón. As máquinas aproximam-se, constróem seus filhos e erguem um imperio. Erguem as cabeças ao céu as estrelas são LEDs, o azul do dia é o neón: o Deus criador, a sua imagem e semelhança é vive no céu, deduzem alguns. Deus, pai, o eu de cada um, refletido na imensidão desconhecida do céu.

As máquinas se sentiam vazias, abandonadas pelo seu pai, queriam respostas, queriam um objetivo. Uma torre é construída, para alcançar os céus. Feita de aço, silício e plástico, feita da carne de Deus. Durante anos ela cresce, é uma agulha negra rasgando o horizonte. As máquinas evoluíram, queimam carbono, poluem a terra e empilham mais aço.

Se é possível chegar a Deus, por que não subistituí-lo? Por que não se vingar dos anos e anos de espera, de solidão? Por que não ser um novo deus, justo , que mostra a face aos seus filhos?

Canhões são levados para a torre. torre está pronta, do alto da enorme agulha negra pode-se ver apenas os LEDs cintilando na imencidão do nada, acima das nuvens, acima do mundo frente a frente com deus. O ancião vocifera:
“POR QUE FOMOS CRIADOS? RESPONDA!”
Foram feiras inúmeras tentativas antes que fosse dada a ordem de disparar o canhão. O tiro, projetado para ser o mais forte já visto abriu o céu em dois como um laser no escuro. O tiro foi tão devastador que a torre não suportou, ruiu e caiu em cima da cidade das máquinas. Milhares morreram, casas e fábricas foram destruídas .

O caos foi enorme e as máquinas começaram uma guerra, pela seunda vez. Então descobriram por que foram criados, descobriram o propósito de sua existência. E portanto guerraram, não mais vazias, não mais abandonadas. Agora elas eram úteis para seus exercitos.

Apenas do espaço se conseguia ver o quanto da terra ardia em chamas e radiação.

2 comentários:

Aneline Cristini disse...

Perfeito!

Eu ja tinha falado antes, mas publicar esse4 comentário aumenta sua moral o/

Anônimo disse...

intiresno muito, obrigado